terça-feira, 15 de novembro de 2011

PORQUE OS SEPARATISTAS SÃO HOSTILIZADOS EM DEBATES?




Os separatistas tem se queixado de serem vaiados e até hostilizados, em debates que são convidados em Belém, alguns deles até já estão recusando a participar de alguns, em atitude claramente anti-democrática, visto que até o presidente Lula, supostamente com a maior aprovação de um presidente na histórica da república brasileira, recebeu sonoras vaias na abertura do Pan-Americano de 2007 no Rio de Janeiro, e não foi de um auditório lotado, e sim de cerca de 45 mil pessoas que lotavam o Estádio Engenhão...

E nem por isso o então presidente deixou de participar de debates e discussões que se seguiram.

Embora isso seja verdadeiro, (que os separatistas tenham sido vaiados e supostamente 'hostilizados') aqui vai alguns pontos que merecem análise, e, longe de estar justificando a atitude do público em si, elas são, porém, compreensíveis.

Primeiro, a proposta de realização do Plebiscito foi uma manobra no Congresso nacional.

Eu explico.

Lira Maia, (DEM), 'Zequinha' Marinho (PSC) e o Giovanni Queiroz (PDT) usaram do seguinte ardil: Na condição de líderes de partido, ameaçaram obstruir as pautas que estavam em votação, no Congresso, caso não fosse aprovados os projetos de desmembramento do Pará apenas pelos líderes, sem precisar ir a plenário, para votação coletiva e, como o governo federal queria ver as pautas que julgava mais importantes desobstruídas, entre as quais a votação do código Florestal, cedeu.

Aí já se cometeu uma violência sem tamanho: Aprovou-se uma consulta popular sem que houvesse, naquela altura, qualquer estudo para se saber se havia viabilidade ou não para se criar novos estados a partir do desmembramento do Pará.

E também os separatistas escolheram bem o dia, uma quinta-feira, quando a maioria dos parlamentares já deixou - ou está saindo de - Brasília para seus redutos eleitorais.

O Deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) inclusive, não só não cedeu a sigla do PSOL para a empreitada, como questionou a legitimidade da decisão.

O Rosário autoritário dos separatistas não parou por aí.

Também não houve qualquer consulta ao governador eleito, Simão Jatene (PSDB), para saber da posição dele sobre o assunto.

Tentaram revogar a decisão do TSE de que a "população diretamente interessada" é a do estado todo, e não somente as populações das regiões separatistas.Em outras palavras, eles não queriam que os Paraenses nativos,(que estão aqui há quase 400 anos) concentrados na região metropolitana e na região nordeste exercessem seus direitos e dessem suas opiniões (através do voto), pois na interpretação equivocada e um tanto quanto capciosa deles, a região "diretamente interessada" a ser consultada seria somente a porção sul/sudeste (o hipotético Carajás) e Oeste (o hipotético Tapajós).

Quer dizer que o Pará que restaria, com apenas 17% do seu tamanho original, não seria afetado pela divisão? segundo os separatistas, não....

Foi por defender essa visão distorcida do texto da constituição federal, (texto que é tão límpido e claro como as águas do Tapajós), que o deputado Asdrúbal Bentes,(PMDB-PA) recebeu ruidosas vaias em um debate que houve na Universidade Federal do Pará (UFPA).

E ali, e posso falar pois estava lá, não vi qualquer "hostilidade" ao referido deputado amazonense, apenas foi democraticamente vaiado, pois o auditório não concordou com o que falou.

E aqui faz-se um parêntese, o tal Asdrúbal, ao ser vaiado, se exaltou, levantou a voz dizendo que não liga "para essas vaias mixurucas"... visivelmente contrariado, cheio de cólera, se comportou como criança birrenta, quando na verdade é um experiente deputado federal...

Agora, já em plena campanha no rádio e TV, os separatistas tentam convencer o eleitor paraense com uma Lei inconstitucional, ou pelo menos será a partir de dezembro de 2012, quando o atual modelo de receitas dos estados via Fundo de participação dos Estados (FPE)sob a lei complementar 62/89, irá mudar, não terá mais vigência a partir da referida data, e o congresso nacional terá que votar outro estatuto legal para a distribuição do dinheiro aos estados.

Para entender, o FPE é distribuído segundo uma tabela de coeficientes fixos para cada unidade federativa, ou seja, não há vinculação com área, população, PIB, renda per capita, absolutamente nenhum critério variável. E, nesse rateio do FPE (constituído por 21,5% da arrecadação do IR e IPI) o Pará recebe exatos 6,1120%. Na LC não há qualquer previsão para novas unidades federativas.

Portanto o que eles alegam, que dos atuais 2 bilhões e 900 milhões de reais/ano, com a divisão, o Pará passaria a receber 5 bilhões e 900 milhões por ano, supostamente três bilhões a mais, é uma fantasia, um blefe.Destas pegadinhas que nos colocam em provas de concursos, onde temos que estar atentos, sob pena de cairmos numa cilada.

Se fosse verdadeiro que toda essa dinheirama viria, até este blogueiro passaria a trabalhar nas frentes pró-divisão....


Veja Mais:

(http://tribodoscaboclos.blogspot.com/2011/11/as-mentiras-dos-separatistas-na-questao.html#links)

Ou Seja, seja a manobra no Congresso para aprovar o plebiscito "na marra", a não consulta ao governador do estado do Pará, a tentativa de evitar que todos o paraenses votassem, e agora na campanha do rádio e TV blefando que o Pará receberá mais dinheiro usando uma conta estapafúrdia, inconsistente, inverídica e ainda baseado em Lei q está em vias de ser inconstitucional, só pode resultar em hostilidades, em vaias....

Como nos ensina a física, se toda ação recebe uma reação,o viés autoritário de alguns separatistas, (camufladas cuidadosamente),e mais o exposto acima acarretam tal reação.

6 comentários:

  1. Parabens pelo Post. Concordo com voce e assino em baixo. Venho batendo firme nesses golpitas de araque, la no meu Blog(www.blogdojadao.blogspot.com.
    Com sua permissão divulgarei esse excelente texto em meu perfil no Facebook. Grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Claro amigo, fique à vontade em replicar o artigo.Eu não incentivo hostilidades, (embora não tenha nada contra as vaias, porque são democráticas) até porque conviveremos - com ou sem divisão - no dia seguinte ao plebiscito, com os que são a favor do estado dividido.Esse artigo foi mais para dar um recado a postura hipócrita de "coitadinhos", de "vítimas" de alguns líderes das frentes a favor da divisão...

    ResponderExcluir
  3. Excelente cometário, irei divulgar em minha pagina.

    ResponderExcluir
  4. CARO AMIGO FABIO MACEDO, LI SEU ARTIGO E COMO VC SABE SOU UMA PESSOA QUE ANALISA MUITO OS LADOS, E LENDO SEU ARTIGO VI QUE SO EM "NOS" CHAMAR DE SEPARATISTAS PERCEBE-SE UM TOM IRONICO E DIZER QUE SEU ARTIGO É PRECONCEITUOSO NÃO É EXAGERO. DIZER QUE NÃO SOMOS "HOSTILIZADOS" TAMBEM CONSIDERO UMA PISADA NA BOLA.

    SAMUEL GAEL
    @gaelsamuel

    ResponderExcluir
  5. ESSA IMAGEM COM O DIZER "É MUITA INGRATIDÃO MANO" É UM ABSURDO.. INGRATIDÃO? O QUE FIZERAM POR NÓS PARA NOS CHAMARMOS DE INGRATOS ???

    ResponderExcluir
  6. (embora não tenha nada contra as vaias, porque são democráticas) até porque conviveremos - com ou sem divisão - no dia seguinte ao plebiscito.

    BELAS PALAVRAS.. DO ARTIGO SO GOSTEI DESSA PARTE SRSRSR

    ResponderExcluir